segunda-feira, 26 de abril de 2010

Dos 8 meses (e 15 dias)

Benjamin e seus 8 meses:

do Pediatra
ontem foi dia de consulta! Esse mês Benjamin cresceu 2,5 cm e engordou 1 kg! (também, meu leãozinho bate cada pratão...) Está com 72 cm e 9.880 kg. Dessa vez a consulta foi mais rápida e sem vacina (pra sorte do bebê e do bolso da mamãe tb..rsrs). A novidade da vez é que agora ele vai passar a comer comida sólida no jantar no lugar da sopinha de legumes. A água da mamadeira continua filtrada e fervida por mais um mês e as mamadeiras ainda tem que ser esterelizadas por tempo indeterminado.

do Desenvolvimento
Meu bagunceiro já se arrasta pra onde quer (normalmente para onde está Bóris e os brinquedos do Bóris) e acho que em pouco tempo vai aprender a tirar a barriga do chão e colocar o joelho. Tenta ficar em pé a qualquer custo, se apoiando em tudo que vê pela frente e já dá passinhos segurando a nossa mão .

das Macaquices
Essa parte é de derreter o coração da mãe babona, Benjamin aprendeu a dar tchauzinho e bater palmas quando cantamos "parabéns pra vc". Já da uns beijos bem babados na bochecha da mamãe e toda vez que acaba de tomar seu leite sacode os bracinhos pedindo colinho. (detalhe que meus olhos já encheram de lágrimas só de escrever esse parágrafo..eheheh)
Junto com isso tudo também aprendeu algumas malandragens. Quando tentamos colocá-lo no carrinho e ele não quer o danado aprendeu uma técnica ninja em que ele endurece as perninhas e finca os pezinhos no assento do carrinho e ao mesmo tempo joga a cabeça pra trás de uma maneira que não há santo que faça ele sentar.
E agora a melhor de todas, não é que ele aprendeu a fazer uma tosse falsa só pra chamar a nossa atenção!! É muito engraçado, é só a gente virar pro outro lado que ele faz "Ham ham ham ham" e quando a gente olha ele volta ao que estava fazendo....ehehe, é muito fofo...


Agora um pouco de Ben com 8 meses









Filho, mais uma vez parabéns e obrigada por mais um mês desse amor incontrolável que você trouxe para nossa casa.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Desabafo que sai do peito...(minha experiência com amamentação)

Faz tempo que eu to querendo fazer um post sobre isso, mas acho que me faltava coragem. Minhas questões com amamentação começaram bem antes do Benjamin nascer, tudo por causa de uma cirurgia de redução de mama que fiz há mais ou menos 10 anos e que dependendo da maneira com que fosse feita podia prejudicar desde a saída do leite como até mesmo a quantidade produzida. Passei a gravidez pensando nisso mas confesso que no fundo eu tinha uma enorme ilusão de que o bebê já nascia, ia pro peito e mamava como um bezerrinho, simples assim. Tolinha eu...

Ainda na maternidade já foi super dificil, Benjamin só queria dormir e nada de mamar. as duas únicas vezes que consegui foi com muita ajuda da enfermeira e mesmo assim só por alguns minutinhos. Já fomos pra casa com a recomendação de dar complemento no copinho pois enquanto ele não quisesse/conseguisse pegar meu peito não poderia ficar sem se alimentar. No mesmo dia em que chegamos liguei para uma enfermeira especializada em amamentação (ela é maravilhosa! Recomendo!) e pedi pra ir lá em casa me ajudar, depois de umas 3 horas de tentativas ela conseguiu que ele mamasse mais uns 5 minutos no peito. Depois que ela foi embora cadê que eu consegui colocar ele no peito de novo. Cada mamada era um sofrimento, ele chorando porque não conseguia sugar e nem pegar meu peito, e eu super nervosa e chorando porque não conseguia amamentá-lo. Tínhamos sempre que depois complementar com LA no copinho. Enquanto isso eu ia tentando tirar o máximo de leite que eu conseguia com a bomba e colocava no copinho pra ele tomar, pois assim pelo menos ele tomava um pouco do meu leite.
Na hora da mamada era sempre assim: Primeiro eu colocava ele no peito pra que ele tentasse mamar um pouco e depois de um tempo eu complementava com o copinho. Na mamada seguinte eu começava com o copinho, depois dava o peito (pois as vezes ele se cansava de tanto tentar sugar no peito que não tinha mais forças pra mamar e só chorava) e no final eu ficava meia hora na bomba tirando tudo que eu pudesse pra próxima mamada e pra que a minha produção continuasse.

Enfim, os dias foram passando e a situação não melhorava e o Benjamin chegou a ficar quase 3 dias sem fazer cocô porque não estava mamando o suficiente. No final do primeiro mês descobri que eu tinha ficado com uma fibrose no bico do peito esquerdo resultado da minha cirurgia e por isso ele não conseguia pegar. Aos poucos ele foi aumentando a quantidade de leite por mamada e tivemos que passar pro esquema mamadeira e peito porque o copinho era muito pequeno. Minha produção de leite foi diminuindo e no final eu passava 1 hora na bomba por mamada e só tirava 30 ou 40 ml. No começo do segundo mês ele desmamou, eu já não tinha leite suficiente pra saciá-lo e ele acabava se cansando tanto de tentar que não mamava toda a mamadeira. Aquela sensação de estar fracassando como mãe ia me consumindo e eu passava a maior parte do dia chorando nos cantos da casa. Não conseguia tirar da cabeça a imagem daquelas campanhas de amamentação dizendo que meu filho ia ser menos inteligente, menos saudável e eu uma péssima mãe se não conseguisse amamentar. Cada vez que íamos na rua ou que recebíamos alguma visita era a mesma cena:
- Nossa como ele é lindo e tão gordinho! É só leite de peito?
- Não, ele já desmamou
- Aaaaah, que pena....Por que vc não insiste mais? (com aquela cara de pena e reprovação ao mesmo tempo, sabe?)
Aquilo pra mim era como um soco na boca do estômago que me deixava com as pernas bambas e ao mesmo tempo me dava uma revolta enorme. Poxa! Ela não estava na minha casa e não tinha acompanhado cada dia e cada hora em que eu me dediquei de corpo, alma e coração pra que conseguisse amamentar meu filho. E ninguém mais do que eu conhecia o sofrimento e a frustração de não ter conseguido.

A cada visita no pediatra eu perguntava se meu filho ia ser prejudicado de alguma maneira por não estar mamando no peito e mesmo ele sempre me dizendo que não ia acontecer nada, que o que mais importava era que ele estava saudável, engordando bastante e se desenvolvendo normalmente eu saía de lá com a sensação de que não tinha tido resposta, porque na verdade eu queria mesmo saber era se ele ia se sentir menos amado e se ia me amar menos, mas não tinha coragem de perguntar...

Aos poucos fui aprendendo a conviver com isso, aprendi a não me culpar e acreditei que tinha feito o meu melhor. Passei a não pensar mais nisso e só prestava atenção em como meu filho ia crescendo com saúde, engordando e se desenvolvendo como qualquer criança, e em como aquele momento em que eu o alimentava era especial. Havia muito amor, cumplicidade e uma imensa troca de carinho e energia mesmo sendo através da mamadeira. E agora quando vamos na rua a cena é assim:
- Nossa como ele é lindo e tão gordinho! ainda mama no peito, né?
- Claro, e muito!
A pessoa fica feliz e não pergunta mais nada e eu não me estresso e nem me entristeço.

Benjamin hj é um bebê lindo, saudável e muito esperto. Só teve 2 resfriados e nenhuma febre nos seus 8 meses de vida e eu sou uma mãe dedicada, apaixonada e nem melhor ou pior do que qualquer outra mãe que amamente seu filho. Com certeza no meu próximo filho vou tentar tudo de novo, porque acredito muito na amamentação exclusiva e acho que quando ela é possível deve ser sempre a primeira opção.

Essa é a minha história, totalmente pessoal e intransferível. Mas através dela gostaria de dar um ombro amigo às mães que tiveram ou tem o mesmo problema mesmo com muito esforço e total dedicação e que se sentiram tão fracassadas quanto eu, mas que eu tenho certeza que são mães maravilhosas de filhos maravilhosos iguais a qualquer mãe que tenha ou não amamentado seu filho exclusivamente até os 6 meses.

E volto a dizer, sou totalmente sem qualquer sombra de dúvida a favor da amamentação exclusiva até os 6 meses e tenho uma super inveja (invejinha boa tá gente?) daquelas que conseguiram. Mas no meu próximo rebento tamos aí de novo e a esperança é a última que morre!

domingo, 18 de abril de 2010

Porque a vida vale a pena

Sabe aquele dia em que nada da certo?
Vc tá cansada (quero dizer, mais do que o normal para uma mãe de um bebê de 8 meses), estressada porque a sua empregada faltou, não tem coca light na sua geladeira e está chovendo cântaros, seu vizinho parece que está tentando derrubar o prédio a marteladas, seu cachorro resolveu revindicar sua atenção e faz xixi no meio da sala se vc não deixar ele deitar junto com vc em qualquer lugar que vc esteja (Ah Sofia deixa vai, ele é tão pequeninho, só tem 30 kg) seu filho tá o dia todo manhoso e querendo ficar pendurado em vc e vc não conseguiu ainda nem tomar banho, imagina tirar o pijama. E no final do dia vc ainda fica ligando pro seu marido perguntando que horas que ele vem pra casa (eu sei, isso é f%&#@$, mas faz parte... e eu sempre critiquei as mulheres dos meus amigos do trabalho que faziam isso. Então mulheres aqui vão minhas sinceras desculpas!)
Enfim, chega no final do dia e vc presencia a seguinte cena:

video

Imediatamente vc é tomada por uma descarga de felicidade tão grande que não consegue parar de sorrir e o amor que vc sente por essa criatura parece que não cabe mais dentro de vc.

E por essas e por outras que a gente sabe que a vida vale a pena...

terça-feira, 13 de abril de 2010

A primeira "Palavra"?

Benjamin começou a balbuciar a primeira palavrinha e não é mama e nem papa. A palavra escolhida pelo pequeno é Bó!

Por que será?
Mamãe e papai estão muito felizes e orgulhosos dessa amizade que está começando.

domingo, 4 de abril de 2010

BEN Harper ou Jorge BEN? Por enquanto, BENkyardigans...

Coisamaisfofa esse meu filho cantando backyardigans?

video

sábado, 3 de abril de 2010

Páscoa e bebês - pretexto pra dica de brinquedo para bebês, e cachorros?

Pequeno Ben ainda não pode se deliciar com gostosuras de chocolate, mas isso não significa passar essa data especial de mãozinhas abanando. Seus queridos paparicadores de plantão (incluindo papai e mamãe) fizeram questão de encher o "coitadinho" de mimos pra compensar. Um desses mimos, dado pela super tia Lindona, foi um brinquedo muito bacana da Fisher Price chamado "Stack and Roll Cups - Brillant Basics" que deixou o menino doidinho! O brinquedo é simplesmente o máximo. São 10 peças em forma de cuia(palavra mais feia essa, né? mas foi a única que me veio na cabeça agora...) que se encaixam de várias maneiras formando torres, bolas, potinhs e ainda vem uma bolinha que faz barulho de sininho que vc pode colocar dentro das bolinhas ou em cima das torres. Além disso o brinquedo é colorido e numerado pra estimuar mais ainda os pequeninos. Benjamin está amando o brinquedo e se deixar fica o dia todo se revezando entre se arrastar atrás das peças, bater uma na outra, morder uma ou duas de uma vez e arremessar algumas pra longe.
Bom pessoal, fica a dica!

Ah, só um detalhe pra quem tem um membro canino na família, Bóris tb ficou vidrado no brinquedo e está disposto a trocar todos os seus brinquedos, ossos, cama e etc pra ter a chance de abocanhar e enterrar no sofá essa bolinha barulhenta.

Mais um detalhe. Vale ressaltar que o Tio Diogo já tinha dito que esse brinquedo era o máximo e a mamãe do Ben confessa que na época não visualizou o potencial do mesmo.


Olha ele aí! primeiro em forma de torre




E agora em outras formas!